3ª Mostra de Cinema Chinês


Detalhes do Evento


de 29/9 a 8/10
A mostra apresenta diversos filmes chineses contemporâneos premiados em festivais internacionais e totalmente inéditos no Brasil, que refletem sobre a cultura e a história da China na geração atual. A programação conta com a presença de alguns cineastas convidados para participar de um bate-papo com o público, além de uma pequena retrospectiva do diretor Pema Tseden, vencedor de prêmios em festivais como os de Locarno e Veneza. O evento é uma parceria do CCSP com o Instituto Confúcio, na Unesp, e a Spcine.

Sala Lima Barreto (99 lugares)
grátis – a bilheteria será aberta às 14h para retirada dos ingressos das sessões do respectivo dia

PROGRAMAÇÃO

dia 29/9 – sexta
16h Alguém para conversar
19h30 Cachorro velho

*Após a sessão de Alguém para conversar, às 18h, haverá uma conversa com a diretora Liu Yulin

dia 30/9 – sábado
15h Eu não sou Madame Bovary
19h30 Adeus verão

*Após a sessão de Eu não sou Madame Bovary, às 17h30, haverá uma conversa com o roteirista e escritor da obra que inspirou o filme, Liu Zhenyun

dia 1º/10 – domingo
15h Qi Gong – O mestre da caligrafia
17h Em busca da alma
19h Lu Xun

dia 3/10 – terça
15h A luz que contraria
17h30 Ervas de Pequim
19h30 A flecha sagrada

dia 4/10 – quarta
15h30 A silenciosa pedra sagrada
17h30 Cachorro velho
19h30 Tharlo

dia 5/10 – quinta
15h A flecha sagrada
17h Tharlo
19h30 Eu não sou Madame Bovary

dia 6/10 – sexta
16h A silenciosa pedra sagrada
18h Lu Xun
20h Em busca da alma

dia 7/10 – sábado
15h A luz que contraria
17h30 Ervas de Pequim
20h Qi Gong – O mestre da caligrafia

dia 8/10 – domingo
15h Eu não sou Madame Bovary
17h30 Adeus verão
19h30 Alguém para conversar

SINOPSES E FICHAS TÉCNICAS

Adeus verão
(Ba yue, China, 2016, 106min, DCP)
direção: Zhang Dalei – com: Kong Weiyi
Em uma pousada na Mongólia, nos anos 1990, o jovem Xiaolei, de 12 anos, aproveita o verão com seu pai, que trabalha em um estúdio de cinema, e sua mãe. A vida da família começa então a passar por mudanças drásticas quando empresas estatais deixam de existir, aumentando o desemprego da região.

Alguém para conversar
(Yi ju ding yi wan ju, China, 2016, 110min, DCP)
direção: Liu Yulin
Um retrato da nova geração, que esqueceu como conversar. Drama chinês de estreia da estudante Liu Yulin, que adapta o romance escrito pelo pai, A Word is Worth Ten Thousand Words. No filme, Cobbler Aiguo e sua mulher vivem uma crise conjugal.

Cachorro velho
(Lao Gou, 2011, 88min, DCP)
direção: Pema Tseden – com: Lochey, Drolma Kyab, Tamdrin Tso
Uma família de fazendeiros do Himalaia descobre que seu cachorro, um mastiff, vale uma fortuna. Eles decidem vender o cão antes que ele seja roubado, mas o avô é contra a ideia e tenta comprá-lo de volta, levando a uma série de situações tragicômicas.

Em busca da alma
(Xun Zhao Zhi Mei Geng Deng, China, 2007, DCP)
direção: Pema Tseden
Um diretor tibetano viaja de vila em vila em busca de atores para estrelar um filme baseado em uma opera. Viajando de carro, a equipe transmite para o público o contexto contemporâneo da vida tibetana, mostrando a arquitetura, os bares, as casas noturnas e mosteiros. O documentário é o primeiro filme a ser feito com uma equipe inteiramente tibetana, apenas com o suporte financeiro de diretores renomados da 5ª geração de cineastas.

Ervas de Pequim
(Huanglian houpu, China, 2000, DCP)
direção: Ding Yinnan – com: Zhixia Wang, Xu Zhu
Um conto sobre três gerações de uma família que busca compreender as fases do cotidiano.

Eu não sou Madame Bovary
(Wo bu shi Pan Jin Lian, China, 2016, 140min, DCP)
direção: Feng Xiaogang – com: Fan Bingbing, Zhang Jiayi, Yu Hewei, Dong Chengpeng e Guo Tao
Li Xuelian, uma camponesa, é falsamente acusada pelo marido de adultério. Para se defender, ela se muda para a cidade grande e enfrenta o complicado sistema legal da China. Uma sátira sobre os efeitos das ações de uma pessoa extremamente determinada contra a blindagem burocrática das grandes instituições.

A flecha sagrada
(Wu Cai Shen Jian, China, 2014, 88min, DCP)
direção: Pema Tseden – com: Renqing Dunzhu, SonamNyima, Dekyid
Centrado na rivalidade de dois arqueiros de vilas vizinhas, o filme é uma fábula sobre uma competição tibetana com mais de mil anos de tradição. A competição levanta questões como ciúmes, honra, tradição e paixão, enquanto o país passa por uma transição da cultura contemporânea.

Lu Xun
(China, 2005, DCP)
direção: Ding Yinnan
O filme documenta a história do renomado autor Lu Xun (1881-1936) e sua luta por justiça social na China. Ele não apenas foi um dos maiores escritores da China moderna como também foi inspiração para as futuras gerações chinesas com sua força e perseverança nas questões sociais.

A luz que contraria
(Ni Guang, China, 1982, DCP)
direção: Ding Yinnan
Um filme sobre libertação e a busca da própria felicidade produzido no início da reforma econômica chinesa. Uma história que reflete a vida daqueles que viveram no período maoísta.

Qi Gong – O mestre da caligrafia
(Qi Gong, China, 2015, 100min, DCP)
direção: Ding Yinnan & Ding Zhen
Dirigido por pai e filho, o filme é uma biografia de Qi Gong (1912-2005), o calígrafo e pintor mais prestigiado na China, que sofreu com a perseguição política durante a Revolução Cultural. O documentário acompanha os últimos anos de sua vida, a qual dedicou a ensinar a sua arte que influenciou diversas gerações de artistas.

A silenciosa pedra sagrada
(Lhing vjags kyi ma ni rdo vbum, China, 2005, 102min, DCP)
direção: Pema Tseden
O filme conta a história de Lama, um jovem monge tibetano que, depois de anos vivendo em um remoto mosteiro, retorna para casa. Fascinado com os avanços tecnológicos, ele pretende apresentar a televisão para o seu mestre.

Tharlo
(China, 2015, 138min, DCP)
direção: Pema Tseden – com: Shide Nyima, Tsemdo Thar, Yangshik Tso
Tharlo é um órfão que vive como pastor de ovelhas em uma vila. Conhecido apenas como Rabo de Cavalo, por conta de seu corte de cabelo, ele possui uma memória excepcional e consegue lembrar de tudo, menos de seu próprio nome.