oneydaOneyda Alvarenga (1911-1984)

 

Na pequena cidade mineira de Varginha, nasceu, em 6/12/1911, a musicista, etnógrafa e folclorista Oneyda Paoliello de Alvarenga. Quando adulta, Oneyda, pediu a seus pais que a deixassem se mudar para São Paulo, visando à continuação de seus estudos. Na época, era raro deixar uma filha sair de casa antes do casamento e ir morar na chamada cidade grande. Mas, seus pais quebraram esse paradigma e autorizaram Oneyda ir para São Paulo estudar música quando ela tinha 19 anos.

Sensível e criativa, Oneyda despontou para a arte desde jovem. Em 1938, lançou seu primeiro livro de poemas, A menina boba, e recebeu o Prêmio Fábio Prado por sua obra Música Popular Brasileira.

Decididos a investir no talento da filha, os pais determinaram que a jovem estudasse em uma das principais escolas de música de seu tempo: o Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. Além disso, Oneyda deveria estudar com um dos melhores professores de piano: Mário de Andrade, com quem também teve aulas de estética e história da música. Embora tenha conhecido o artista somente em 1931, o nome do grande mestre já ecoava no País desde 1922, em virtude da repercussão que teve a Semana de Arte Moderna.

A influência de Mário de Andrade foi decisiva para a formação cultural e para a orientação vocacional de Oneyda Alvarenga, e ela foi a principal assessora dos empreendimentos do mestre. De imediato, travou-se mais do que uma relação entre professor e aluna. Construiu-se uma relação de cumplicidade, comprometimento, profissionalismo e amizade. Oneyda e Mário se corresponderam intensamente entre 1932 e 1940. Quando ele faleceu, em 1945, ela assumiu o compromisso de reunir, compilar, sistematizar e publicar parte de sua obra, encargo que o amigo confiou-lhe em sua carta-testamento. Essa tarefa foi uma das mais importantes experiências profissionais para Oneyda. Ela dedicou grande parte de seu tempo ao Acervo da Missão de Pesquisas Folclóricas, com a catalogação dos objetos, registro sonoro e as publicações das séries Registro Sonoro do Folclore Musical Brasileiro e o Catálogo Ilustrado do Museu Folclórico.

Oneyda Alvarenga foi a primeira diretora da Discoteca Pública Municipal da Prefeitura de São Paulo, criada pelo seu mestre Mário de Andrade, que na época era diretor do Departamento de Cultura. Oneyda permaneceu no cargo de 1935 até sua aposentaria, em 1968. Faleceu em São Paulo, em fevereiro de 1984.