Carinhoso:
Uma das obras mais importantes da Música Popular Brasileira

Carinhoso é uma música de 1917, autoria de Pixinguinha (Alfredo da Rocha Viana Filho) e letra de 1937, autoria de João de Barro ou Braguinha (Carlos Alberto Ferreira Braga).

Pixinguinha manteve a música inédita por mais de dez anos e se justificou em um depoimento ao Museu de Imagem o do som do Rio de Janeiro em 1968 dessa forma:
“Eu fiz o ‘Carinhoso’ em 1917. Naquele tempo o pessoal nosso da música não admitia choro assim de duas partes, choro tinha que ter três partes. Então, eu fiz o ‘Carinhoso’ e encostei. Tocar o ‘Carinhoso’ naquele meio, eu não tocava… ninguém ia aceitar!”

Carinhoso foi “encostado” pelo fato de ter somente duas partes. Pixinguinha por ser muito jovem, 20 anos, não queria contrariar as regras impostas no choro daquela época que era na forma rondó (A-B-A-C-A), herdada da polca. E segundo ainda seu depoimento diz:
“o Carinhoso era uma polca, polca lenta. O andamento era o mesmo de hoje e eu classifiquei de polca lenta ou polca vagarosa. Mais tarde mudei para chorinho.”

Carinhoso só foi gravado em disco em dezembro de 1928, interpretado pela Orquestra Típica Pixinguinha-Donga, na Parlophon. Ainda sem letra teria mais duas gravações, a primeira (em 1929) pela Orquestra Victor-Brasileira, dirigida por Pixinguinha, e a segunda (em 1934) pelo bandolinista Luperce Miranda, figurando em ambos os discos, por erro de grafia, com o título de “Carinhos”.
Carinhoso ficou até medos dos anos 1930 desconhecido pelo grande público.

Mas um acontecimento quase que incidental em outubro de 1936, mudaria o rumo de Carinhoso na história. Nessa época se encenava, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, o espetáculo “Parada das Maravilhas”, promovido pela primeira Dama D. Darcy Vargas em benefício da obra assistencial Pequena Cruzada. A atriz e cantora Heloísa Helena que foi convidada a participar do espetáculo, sendo amiga de Braguinha pediu a ele uma canção inédita para que pudesse marcar a sua presença no palco. Braguinha não possuindo nenhuma canção nova, aceitou a sugestão da amiga de versar o choro Carinhoso. A esse respeito Braguinha diz:
“Procurei imediatamente o Pixinguinha que me mostrou a melodia num dancing (o Eldorado) onde estava atuando: No dia seguinte entreguei a letra a Heloísa que, muito satisfeita, me presenteou com uma bela gravata italiana.”

E assim surgiu a lera de Carinhoso, uma letra simples, mas que se tornou um fator primordial para a popularização da composição de Pixinguinha, tornando-a uma das obras mais importantes e ícone da Música Popular Brasileira.

A Discoteca Oneyda Alvarenga possui algumas gravações de Carinhoso, como também algumas partituras e outras obras de Pixinguinha, ouça abaixo um exemplo. Se quiser ouvir mais Pixinguinha ou pesquisar sobre ele é só fazer uma visita a Discoteca. Mais informações no telefone 11 3397-4071.

Carinhoso-Instrumental     
Carinhoso-Orlando-Silva-com-Letra     

part carinhoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *