CCSP WEB

  • Henrique de Souza Filho - Henfil Henrique de Souza Filho - Henfil Centro Cultural São Paulo - imagem ilustrativa
  • Henrique de Souza Filho - Henfil Henrique de Souza Filho - Henfil Centro Cultural São Paulo - imagem ilustrativa
  • Henrique de Souza Filho - Henfil Henrique de Souza Filho - Henfil Centro Cultural São Paulo - imagem ilustrativa

Henfil

Henrique de Souza Filho (Ribeirão das Neves-MG, 5/2/1944 - Rio de Janeiro-RJ, 4/1/1988), mais conhecido como Henfil, iniciou sua carreira como cartunista, quadrinhista e colaborador d'O Pasquim (1969). Em 1970, lançou a revista Fradim, que reunia seus personagens mais famosos, portadores de sua marca registrada: um desenho humorístico, crítico e satírico, com personagens tipicamente brasileiros e que retratavam a situação nacional da época. Sua importância na história dos quadrinhos no Brasil se deve à renovação que trouxe ao desenho humorístico nacional. Henfil atuou, ainda, em teatro, cinema, televisão e literatura, tendo sido marcante sua atuação nos movimentos políticos e sociais do país.

O desenhista, jornalista e escritor Henfil cresceu na periferia de Belo Horizonte, onde frequentou o Colégio Arnaldo da Ordem do Verbo Divino, um curso supletivo noturno e um curso superior de sociologia, que abandonou depois de dois meses. Henfil morreu no Rio de Janeiro, com 43 anos. Era hemofílico e contraiu Aids por meio de uma transfusão de sangue. Sempre teve uma saúde bastante delicada, assim como seus dois irmãos (Herbert e Francisco Mário), também hemofílicos. Além deles, Henfil tinha mais cinco irmãs.

Foi embalador de queijos, "boy" de agência de publicidade e jornalista, até especializar-se, no início da década de 1960, em ilustração e produção de histórias em quadrinhos, tornando-se conhecido nacionalmente, a partir de 1969, quando passou a colaborar no "Pasquim". Em 1970, lançou a revista Os Fradinhos, ou apenas Fradins. Suas tiras foram posteriormente divulgadas em vários países, com o título The Mad Monks, mas a experiência durou pouco, pois seus personagens foram considerados doentios.

A carreira de cartunista e quadrinhista começou em 1964, a convite do editor e escritor Robert Dummond, da Revista Alterosa, onde nasceram originalmente Os Fradinhos. Em 1965, começou a fazer caricatura política para o Diário de Minas. Em 1967, fez charges esportivas para o Jornal dos Sports do Rio de Janeiro, colaborando ainda nas revistas Visão, Realidade, Placar e o Cruzeiro. A partir de 1969, fixou-se no semanário Pasquim e no Jornal do Brasil, onde seus personagens atingiram um nível de popularidade pouco comum em termos de Brasil.

A produção de histórias em quadrinhos e cartuns do mineiro Henfil já possuía então sua marca registrada: um desenho humorístico político, crítico e satírico, com personagens tipicamente brasileiros.

Após uma década de trabalho no Rio de Janeiro, Henfil mudou-se para Nova York, onde passou dois anos em tratamento de saúde. A estada resultou em seu livro Diário de um Cucaracha (1976). De volta ao Brasil residiu algum tempo no Rio e depois em Natal - RN, retornando novamente ao Rio de Janeiro.

Além das histórias em quadrinhos e cartuns de estilo inconfundível, Henfil realizou a peça de teatro A Revista do Henfil (em co-autoria com Oswaldo Mendes), escreveu, dirigiu e atuou no filme Tanga - Deu no New York Times e teve uma incursão na televisão com o quadro TV Homem, do programa "TV Mulher", na Rede Globo de Televisão. Como escritor, publicou ainda sete livros: Hiroxima, meu humor, Diário de um cucaracha (ambos de 1976), Dez em humor (coletânea, em 1984), Diretas já, Henfil na China, Fradim de Libertação e Como se faz humor político (1984).

Henfil destacou-se, também, pela sua participação na política do país, devido ao seu engajamento na resistência contra a ditadura, pela democratização do país, pela anistia aos presos políticos e pelas Diretas Já.

Finalmente, é importante ressaltar o papel exercido por Henfil na história dos quadrinhos brasileiros e na renovação do desenho humorístico nacional, com a criação de personagens típicos brasileiros - Os fradinhos, o Capitão Zeferino, a Graúna e o Bode Orelana. Sua obra pode ser considerada como um quadrinho da descolonização, já que foi realizada em uma época em que a produção nacional tinha seu desenvolvimento sufocado pela distribuição dos quadrinhos americanos pelo mundo inteiro. Seu combativo e alegórico humor gráfico brasileiro fazia da crítica uma arma de resistência e combate ao sistema político do país.

A Gibiteca Henfil possui para consulta a coleção completa dos Fradins, os livros A volta do Fradim, Diretas já, Isto era, Henfil na China, Fradim de libertação, Como se faz humor político e exemplares do Pasquim, além de acervo para pesquisa sobre o Henfil, entre eles, um fanzine de autoria de José Eduardo Cimó, livros teóricos, recortes de jornais e folhetos.

observaçao Fontes:
CIRNE, Moacy. História e crítica dos quadrinhos brasileiros. Rio de janeiro, Europa: FUNARTE, 1990.
CIRNE, Moacy. Uma introdução política aos quadrinhos. Rio de Janeiro, Achiané / Angra, 1982.
ENCICLOPÉDIA Mirador Internacional
HENFIL morre de Aids aos 43 anos após cinco meses de internamento. Folha de São Paulo, 05/01/88, p.1-12.
MORAES, Denis de. Rebelde do traço: a vida de Henfil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1996.

     
ícone facebook
ícone twitter
ícone enciar e-mail
ícone imagens
ícone audio
ícone webrádio
ícone vídeo
destaque
ícone saiba mais
ícone veja também
ícone aviso
ícone obs
audiodescricao
libras
ícone download
endereço eletrônico
ícone inscrições abertas
sem necessidade de inscrição
ícone inscrições encerradas
selecionados
facebook
twitter
boletim
imagens
áudio
lab.rádio
vídeo
destaque
saiba mais
veja também
aviso
obs
audiodescrição
libras
download
www ou email
oficinas
abertas
oficinas com inscrição
inscrições
encerradas
selecionados
 

Divisão de Informação e Comunicação
Direção: Márcio Yonamine
Coordenação: Juliene Codognotto

Conteúdo online
Álvaro Olintho, Danilo Satou, Márcia Dutra, Vinícius Máximo e Sabrina Haick

Imagens - Núcleo de Fotografia do CCSP
Edição de imagens: Sossô Parma
Fotógrafos: João Mussolin, João Silva e Sossô Parma

Materiais impressos
Projeto gráfico: Adriane Bertini ,Solange Azevedo e Yeda Gonçalves
Edição de textos: Camile Rodrigues Aragão Costa, Danilo Satou e Emi Sakai
Revisão: Paulo Vinicio de Brito

Layout e manutenção
Web design: Edmarcio da Silva

Ateliê sonoro
Mediação: Marta Fonterrada e Rodrigo Taguchi
Coordenação técnica: Eduardo Neves

Narrativas CCSP
Coordenação: Chicão Santos
Captação: Celso Toquetti, Giovanni Belleza, José Amador Martins e Thaís Orchi
Edição: Chicão Santos, Giovanni Belleza e Thaís Orchi

Marcia Dutra
Coordenadora do Site  - 11 3397.4066
Divisão de Informação e Comunicação
Rua Vergueiro 1000   -   CEP 01504-000   tel 3397 4002
Paraíso São Paulo – SP