Espetáculo Alaska

10 a 27/03

  • Quinta a sábado, às 21h e domingo, às 20h

  • No Espaço Ademar Guerra

  • Classificação Indicativa: 14 anos

  • Grátis
  • Os ingressos estarão disponíveis na bilheteria uma hora antes da sessão. Para retirá-los, será necessário apresentar o comprovante de vacinação da Covid-19, com no mínimo duas doses. 

A peça se passa no estado do Alaska, que também nomeia o drama escrito pela dramaturga estadunidense Cindy Lou Johnson. Enquanto uma nevasca cai do lado de fora, Henry (Rodrigo Pandolfo), uma figura solitária, é surpreendido por uma insistente batida na porta de sua cabana. Trata-se de uma visita desconhecida: Rosannah Deluce (Louise D’Tuani), uma jovem vestida de noiva que, após dirigir ininterruptamente por semanas, entra e se instala no local.

Eles se veem presos no mesmo espaço-tempo, longe de tudo e de todos, sendo obrigados a conviver com suas verdades para, quem sabe assim, alcançarem essa possível cura. Além de estar no elenco, Pandolfo também dirige a encenação.

Segundo Pandolfo, trata-se de uma peça sobre cura. Sobre dois personagens que estão congelados pelos seus traumas a ponto de procurarem alguma forma de isolamento que os prive de viver em sociedade. Ambos estão feridos pela cruel montanha russa da vida, fugindo de relacionamentos, compromissos, responsabilidades e, se possível, de qualquer outro contato humano.

ROSANNAH – Você vai me bater? Vai me trancar? Vai me jogar na sua tempestade de neve — você vai deixar de me alimentar, de me vestir, de deixar que eu durma aqui? O quê? Você não pode me machucar! Tenta! Vem! Você pode me matar, mas não vai conseguir me machucar. 

HENRY – Olha, não, obrigado — eu já andei nessa montanha russa. Você fica longe de mim. Eu sempre tentei passar longe desse tipo de coisa, mas ela me encontra, me consome, mas nunca me destrói por inteiro. Ela vai deixando pedacinhos de mim, só os cacos — pra poder voltar depois. Trecho de Alaska

“Neste lugar solitário e gelado, eles vão se desvendando e se aproximando. Eles se afetam, numa relação de atração e repulsa”, conta Pandolfo. O diretor reforça que a relação do casal se passa em um tempo-espaço que não fica bem definido, podendo também servir como metáfora para esse encontro profundo que pode resultar na salvação do casal.

O cenário da peça exibe um chão coberto de neve, um tronco de madeira, um fogão e um baú. É neste lugar fumacento, quase onírico, que Henry e Rosannah acessam memórias, lembranças e também confusões sobre os motivos pelos quais foram traumatizados. 

“No texto há referências sobre um apagão branco, sobre a queda da neve, sobre um céu da mesma cor que o chão, dando a impressão de que as personagens voam, mas que ao mesmo tempo são atingidas pela gravidade e caem no chão gelado. Esse apagão branco pode ser lido como a paralisação em que eles se encontram”, diz Pandolfo.

O artista conta que é essa é primeira vez que dirige e atua num mesmo espetáculo. “A experiência está sendo ótima, mas também muito desafiadora – para ter essa visão do todo, me envolvo em dois tipos de ensaio – o ensaio para direção e outro para atuação”, conclui.

Sobre os artistas

Rodrigo Pandolfo

Rodrigo Pandolfo é ator e diretor com formação técnica em Artes Cênicas pela CAL (Casa de Artes de Laranjeiras) e Graduado em Artes Dramáticas pela UniverCidade, na cidade do Rio de Janeiro.

No teatro, como ator, esteve em “Pi – Panorâmica Insana, dirigido por Bia Lessa, “Concerto para João”, dirigido por Cassio Scapin, “Céus”, dirigido por Aderbal Freire Filho, “Galileu Galilei”, dirigido por Cibele Forjaz. “R&J, de Shakespeare ”, dirigido por João Fonseca, com o qual foi indicado ao Prêmio APTR e ganhou o Prêmio Ítalo Rossi de Melhor Ator, “O Despertar da Primavera – O Musical”, dirigido por Charles Moeller e Cláudio Botelho, com o qual foi indicado aos Prêmios Shell e Arte Qualidade Brasil de Melhor Ator e ganhou o Prêmio APTR de Melhor Ator Coadjuvante. 

Também atuou em “Cine-Teatro Limite”, dirigido por Pedro Brício e Sergio Módena, com o qual foi indicado aos Prêmios Shell e APTR de Melhor Ator. Como diretor, assinou o espetáculo “A Moça da Cidade” e foi assistente de direção de “As Bruxas de Salém”, com direção de Antônio Abujamra e João Fonseca.

No cinema, integrou o elenco de “Chacrinha – O Velho Guerreiro”, “João, O Maestro”, “Minha Mãe é uma Peça 1, 2 e 3”, “Elis – O Filme”, “Faroeste Caboclo”, e “O Concurso”. Em televisão, seus últimos trabalhos foram as séries: “Verdades Secretas II”, “Vítimas Digitais”, da GNT, “Samantha”, da Netflix, “Rua Augusta”, da TNT, “Prata da Casa”, da Fox, “A Menina sem Qualidades”, da MTV, “Junto e Misturado”, da Tv Globo e as novelas: “Geração Brasil” e “Cheias de Charme”.

Louise D’Tuani

Louise D’Tuani é uma atriz formada em Cinema pela universidade Estácio de Sá. Na televisão, integrou os elencos de “Rock Story”, “Em Família”, “Malhação”, “Máscaras”, “Ribeirão do Tempo”, “Promessas de Amor”, “Mutantes – Caminhos do Coração”, “Luz do Sol” e “Prova de Amor”. Também participou das séries “Magnífica 70”, “Questão de Família”, “O Perrengue” e “Shippados”. 

No cinema, está no elenco de “Kardec” e “Velha roupa colorida”; no teatro integrou os elencos de “O rei do mundo”, “A minha primeira vez” e  “Confissões de Adolescente”.

Ficha técnica 

Autor: Cindy Lou Johnson | Título original: Brilliant Traces | Tradução: Luiza Vilela | Direção: Rodrigo Pandolfo | Elenco: Louise D’tuani e Rodrigo Pandolfo | Contrarregragem performática: Gab’s Ambròzia e Canafístula Lima | Assistente de direção: Rael Barja | Preparação corporal: Ana Paula Lopez | Cenografia: Miguel Pinto Guimarães | Desenho de luz: Wagner Antonio | Figurinos: Jay Boggo | Trilha sonora: Azullllllll | Operador de luz: Dimitri Luppi | Operadora de som: Jéssica Silva e Alírio Assunção | Cenotécnico: Bruno Portela | Fotografias: Patrícia Cividanes e André Nicolau | Identidade visual: Patrícia Cividanes | Assessoria de imprensa: Equipe D Comunicação – Berê Biachi e Canal Aberto – Márcia Marques | Produção: Corpo Rastreado – Leo Devitto | Administração: Os Satyros.

A programação acontecerá de acordo com os protocolos de segurança estabelecidos pelas autoridades sanitárias em prevenção à propagação do vírus da Covid-19, sendo obrigatório a apresentação do comprovante de vacinação (físico ou digital) com no mínimo duas doses.

 
icone-compr-de-vacinacao

É obrigatório comprovante de vacinação.

O álcool gel estará disponível no local.

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo